sexta-feira, 12 de maio de 2017

Anotações da palestra pública com Chagdud Khadro sobre a Morte em 11/05/2017 - Chagdud Gonpa RJ

Eu só soube do evento muito tarde e não havia mais vagas, mas acabei conseguindo ir a esta palestra disputadíssima de uma forma meio mágica. Só foi possível por ter ido a esta outra palestra com Mingyur Rinpoche (aliás, a meditação que ele conduziu foi maravilhosa, clique aqui para assistir) uns dias antes. Uma moça se sentou ao meu lado, super simpática, e acabamos amigos. Então, tenho que agradecer muito a ela, Clarice Rohde, que lembrou de mim quando sua amiga falou que não poderia comparecer ao evento com Chagdud Khadro e quis oferecer a vaga para alguém.

Achei algo em Chagdud Khadro muito parecido com o olhar minha querida avó já falecida, trazendo uma sensação de carinho enorme, algo como uma intimidade automática. E os ensinamentos, na presença dela, pareceram mais sentidos (talvez realizados) ao invés de apenas entendidos racionalmente. Ao final da palestra, quando fui agradecer e oferecer o kata (que é um pano que se oferece ao lama e ele devolve abençoado) para ela me disse essas palavras que ficaram se repetindo em minha mente por horas: "It is so good to recognize a friendly face on the crowd..."




ANOTAÇÕES: 

- Importância de contemplar a vida humana preciosa e a impermanência

- As pessoas em geral veem a morte de outras ao seu redor mas acham que nunca vão morrer...

. Morte repentina por acidente - consciência sai rápido
. Morte por velhice, natural, corpo deixado sozinho - consciência permanece alguns dias (no Tibete é tradicional deixar o corpo sem ser tocado por três dias)

- Prática de Poa: importante para o Brasil - já que aqui não se pode ficar sem tocar o corpo por três dias - por lei. Com Poa, a  consciência sai e o corpo não importa mais depois... Pode ser tocado, enterrado, cremado etc. Pode-se pedir para doar os órgãos (muito auspicioso ajudar outros a seguir vivo) só depois de alguém fazer Poa para o falecido.

- O que podemos fazer com mortos, para ajudar a consciência a sair pelo alto da cabeça (chacra da coroa), que é mais auspicioso: dar batidinhas ou tocar alto da cabeça (qualquer pessoa pode fazer, não precisa ser Lama)

- Após a morte: há um estado de calor no chacra central no peito, sem mais raiva (que vem do pai, luminosidade branca que desce pelos canais da cabeça para o peito) nem apego (que vem da mãe, luminosidade vermelha que sobe do ventre para o peito). Nesse estado intermediário, o corpo fica aquecido no peito, sem decomposição. Chagdud Tulku Rinpoche ficou assim por 5 dias e meio após a última respiração. Paramahansa Yogananda ficou 20 dias.

- Meditação. É cultivo de abertura para a vacuidade, Darmakaia. É preciso paciência. Com adversidade, inimigos e medo da vacuidade. Somos viciados em movimento, fazer algo. O estado de abertura total pode dar medo...

- Sem familiaridade com meditação, após a morte aparecem logo luzes, movimento e deidades (estado não dual de projeção da própria mente). Para não praticantes, quase não dá tempo de perceber o Darmakaia, que é insuportável. A mente se move e Darmakaia e depois Sambogakaia se fecham e surge logo o bardo do vir a ser.

- "Fantasmas" - Seres do bardo, com a tendência humana a voltar pra casa. Todos temos esse apego a estabilidade. Até moradores de rua delimitam seus espaços, criam limites e hábitos. Por causa dessa estabilidade do lar, após a morte muitos voltam para casa e ficam sem poder se comunicar com os vivos, presentes mas sem poder se comunicar ou interagir com nada "sólido". Praticar o Sur ajuda esses seres que não conseguem se alimentar de sólidos, mas sentir aromas. Além disso, dedicar méritos de qualquer prática também ajuda estes seres. Ou oferendas de lamparinas. Não é bom chorar assim que alguém morre. Só traz mais confusão para ele. É ótimo lembrar de falar pro falecido se lembrar de seu refúgio espiritual. Recomendado não tocar nos pertences do morto por 21 dias. Pode irritar se houver apego ainda. Melhor praticar o que estiver mais habituado, pois essa prática tem mais conexão, mais afinidade, logo será mais poderosa. E dedicação de mérito pro falecido.

- É o anseio por estabilidade que leva a renascer. Importante lembrar de pensar em Guru Rinpoche, Amitaba, Chagdud... Depois da morte, onde a mente pensa a mente vai, muita instabilidade... Daí a necessidade do reflexo rápido de tomar refúgio em situação difícil, treinar durante a vida. Vai ser assim na morte. Treinamento!!!! Rezar sempre que aparecer uma crise, confusão, briga, negatividade!!! Quanto mais instantâneo, melhor. Treinar em vida!!!

- Contemplação da impermanência e morte senão: vida sem sentido.

- Acumulação de negatividade a vida toda deixa a morte mais difícil. É preciso purificar todas as emoções negativas, coisas não resolvidas etc.

- No momento da morte: Ver o positivo, oferecer tudo que perderemos. Posses, Inteligência etc. Fazer cartas agradecendo. Dedicar mentalmente. Fazer testamento. Deixar tudo resolvido...

- Sugestão de um Rinpoche: criar caixa com tudo: Testamento, cartas, quem avisar para rezar e fazer práticas, quais pessoas avisar e práticas etc. E avisar todos onde guarda a caixa, antes do processo de morte, para ser encontrada e aberta.

- Livro recomendado: Peaceful Death, Joyful Rebirth


P.S.: Outro livro que aprofunda o tema e eu já li e recomendo: O livro tibetano do viver e do morrer

sábado, 29 de abril de 2017

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Controle de qualidade da prática (Lama Padma Samten)

Vídeo do Lama sobre controle de qualidade da prática

Resumo - Controle de qualidade da prática:

1 - Bodicita relativa (Energia, brilho em todos os lungs)
2 - Devoção (Aparece unida a bodicita)
3 - Aspecto secreto (Sem centro autônomo de acionamento causal da energia, fonte primordial inseparável de nós - mãe Darmata)
4 - Sabedoria primordial (Visão do mundo a partir do Darma - sabedoria primordial - e não mais a visão do mundo a partir do mundo - sabedoria causal)
5 - Liberação da linguagem da identidade (As identidades baseadas nos 12 elos funcionam por um tempo depois cessam)
6 - Materialismo espiritual (É a fixação de identidade dentro do caminho espiritual. Avançamos não porque nos tornamos algo importante, mas porque atingimos uma mente que não é de ninguém)
7 - Tudo vira prática (Quando encontramos obstruções no caminho, aparências assustadoras, atraentes ou indiferentes, não rejeitamos, utilizamos como prática de lucidez)
8 - Ensinamentos para o final do caminho (Ensinamentos de Dudjom Lingpa, Jigme Lingpa, Dilgo Khyentse Rinpoche)

domingo, 26 de junho de 2016

Resumo do Retiro do Lama Padma Samten em Araras, 2016

"Todos somos meio como "O médico e o monstro". Praticamos, praticamos mas algum fato ocorre e nos arrasta pela energia. Controle não resolve. Não soluciona isso. (...) A mente não tem poder sobre a energia. Daí a importância de estabilizar a energia (shamata impura com foco nos cinco lungs). Mas shamata é uma condição particular. E o espaço não é o elemento éter. O espaço seria o sexto elemento, seria a capacidade quebrar o aspecto limitado da prática e perceber que aquele estado particular de mente não é a iluminação. O espaço é a condição secreta da mente, é o ambiente além de qualquer objeto, que acolhe todos os objetos. Aquilo que não morre. Como perceber a amplitude de um céu estrelado. A percepção do elemento espaço no ciclo de seis elementos nos ajuda a neutralizar os obstáculos da própria prática de shamata."

- Lama Padma Samten​ (adaptado, pois escrevi no celular sem dar tempo de uma transcrição exata. Retiro de Junho em Araras, 2016)



sexta-feira, 24 de junho de 2016

Realizar os ensinamentos e anotar a contagem dos mantras

Estava sentindo falta de aprofundar mais, realizar os estudos no Budismo e ontem descobri este vídeo com ensinamentos do Luis Filipe que mostram uma metodologia maravilhosa, na prática, para tal. Pensar, contemplar e repousar. Ele fala também de seu exemplo em retiro, lendo três vezes o mesmo livro, depois - na quarta vez - anotando passagens que parecem importantes para depois usar a técnica de ler, contemplar por 3 minutos (buscando exemplos), depois repousar a mente por mais 3 minutos. Essa técnica permite que estudemos com uma mente mais ampla e acho que aumenta muito a chance de aprofundarmos os ensinamentos.

Outra prática importante que venho fazendo é a acumulação de mantras e prostrações. O mala pode ajudar na contagem dos mantras, mas o ideal é não gerar apego ou orgulho, apenas seguir acumulando. Agora, partindo para outro retiro em Araras com o Lama Samten.

terça-feira, 26 de abril de 2016

As 4 Nobres Verdades

  1. Existe o sofrimento (duka - veja aqui uma explicação do Lama em 2017 ou aqui)
  2. Existem as causas do sofrimento (duka)
  3. A liberação do sofrimento (duka) é possível
  4. Existe um caminho leva a esta liberação (o nobre caminho óctuplo)
Este foi o primeiro ensinamento do Buda Sakyamuni, o Buda histórico, que foi a fonte de todos os conhecimentos de todas as tradições do Budismo há uns 2600 anos atrás. Após a iluminação, ele passou 45 anos dando ensinamentos (o Darma). Este ensinamento inicial se deu num local chamado Parque dos Cervos de Isipatana (em Baranasi, segundo o Budadarma). Por isso, o CEBB tem dois cervos em seu símbolo olhando a roda de oito raiors que simboliza o nobre caminho óctuplo. É um ensinamento comum a tradição Theravada, Mahayana e Vajrayana (3 grandes correntes atuais do Darma, que sobraram).

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Nobre caminho de 8 passos ou óctuplo

É simbolizado pela roda de oito raios, o dharmachakra:


Cada passo leva ao seguinte:
  1. Compreensão / Visão Correta 
  2. Pensamento Correto
  3. Fala Correta
  4. Ação Correta
  5. Modo de Vida Correto 
  6. Esforço Correto 
  7. Atenção Correta 
  8. Concentração Correta 

No CEBB (Mahayana com foco no caminho tântrico):

1 - Motivação - Estágios: Em próprio benefício, Em benefício dos outros, Liberação. Estudo: 4 pensamentos que transformam a mente
2 - Evitar ações negativas de Mente. Estudo: 10 ações não virtuosas
3 - Evitar ações negativas de Fala. Estudo: 10 ações não virtuosas
4 - Evitar ações negativas de Corpo. Estudo: 10 ações não virtuosas
5 - Ação transcendente. Estudo: 4 qualidades incomensuráveis, 6 perfeições
6 - Diana, Shamata. Técnica: Shamata
7 - Vipassana, Shamasati: Técnica: Prajnaparamita
8 - Presença, Samasamadi. Técnica: Repousar na presença (volta à energia da motivação)

(Esta é uma das bases do nosso Roteiro de 21 itens.)