domingo, 10 de dezembro de 2017

Lama Padma Samten explicando a Sadana do CEBB

Coletânea de vídeos do Lama Padma Samten comentando ou praticando trechos da Sadana do CEBB. Por favor, deixem nos comentários se acharem mais vídeos que incluo aqui. Também estou pesquisando. :)

* ANÁLISES:

Análise da Prece para alcançar a cidadela da sabedoría intrínseca:
https://youtu.be/oPTXIJNqOdg?t=52m52s

Análise do Sutra do Coração da Prajnaparamita:
https://youtu.be/iVGXjdAlckE?t=21m25s

* PRÁTICAS:

Prática do Puja Chuva de Bênçãos (legendado):
https://www.youtube.com/watch?v=zkVbcntlbFI&t=1s

Prática do Puja Prajnaparamita:
https://youtu.be/floiL6HuKRI?t=6m21s

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Dzogchen - Alan Wallace

Achei tão importante que fiz uma tradução livre dessa transcrição do Ethan Dorfman, praticante de NY, do final desta palestra de Alan Wallace. Quem compartilhou no Facebook originalmente foi o Gustavo Gitti, que escreveu:

"Que cada pessoa tenha acesso a essas instruções diretas ainda nessa vida."

...

Mas agora que você vê a mente é o mais importante, então o mais próximo nesta estratégia, neste caminho, é Dzogchen - não é universalmente verdade em todas as escolas do budismo. Agora, investigue a natureza da mente, aquilo que apreende, o que sabe, o que observa. Observe a natureza do agente. Que uma mente que medita, fica chateada, se torna compassiva, se engaja em virtude, não virtude - investigue esse soberano que cria tudo, a mente.

E o que ele diz aqui de volta para Mud and Feathers? "Mais uma vez, em uma experiência visionária, um ser que aparece em um dos seus sonhos diz: Filho da clara essência da luz vajra, abordando Dudjom Lingpa, diz que sua própria mente é a base de todos os samsara e nirvana. A origem a partir da qual ele emerge primeiro está vazia. O local em que se baseia no ínterim, depois que surgiu e antes de sumir, está vazio. O destino para o qual ele finalmente vai está vazio. Percebe a natureza essencial do vazio. Isso, essa mente, não tem forma, forma, cor ou tipo, não é nem uma nem muitas, transcende os parâmetros da existência e da inexistência, está vazio das palavras convencionais de negação e afirmação, é realizada espontaneamente como grande vazio".

Como eu disse que seria pontual, vou encerrar essa citação bastante longa e suculenta porque não há como conseguir terminar em apenas alguns minutos. Aqui está uma estratégia. O meu amigo me pediu um pouco para apontar as instruções. Tudo bem, vamos dar isso, pegue um pouco nisso.

Precisamos de estratégia aqui. Está muito bem falar palavras profundas e citar grandes mestres e assim por diante. Mas quando voltarmos para casa, se formos inspirados por este caminho da Grande Perfeição, como podemos levantar as pernas pequenas e bamboleantes e começar a caminhar no caminho. Vou fazer uma sugestão, está bem?

O que eu sugiro para aqueles de nós que vivem em cidades como Boston, eu moro nos arredores de Los Angeles, eu viajo por cidades de todo o mundo. Todos nós sabemos disso. Nesta era moderna, com este modo de vida, com essa quantidade de informações, essa quantidade de estímulos que temos, a quantidade de carga de trabalho que temos, com as demandas de nossa atenção que temos. Nós estamos executando um experimento em nós mesmos, que eu acho que é uma experiência bastante cruel. Para ver até onde podemos ser pressionados sem pirarmos?

A primeira coisa que tivemos no exercício preliminar é aprender, de forma não trivial, como configurar seu corpo, fala e mente relaxados. Não é de admirar que MBSR, redução de estresse baseada em atenção, seja tão popular e tão útil. Porque as pessoas estão tão desesperadas para obter algum alívio da tensão, do estresse que é apenas desgaste e retira toda a alegria de suas vidas. Então, para aprender através da disciplina, como definir o corpo e a mente relaxados. - A atenção plena da respiração é maravilhosa para isso, acalmar a fala e a mente e o corpo, e, em seguida, a atenção plena, a consciência do corpo inteiro, deixe sua consciência permear todo o campo do corpo.

E no meio disso, já vamos dar um pequeno passo em direção a Dzogchen, a Grande Perfeição. E, ao mesmo tempo, atendendo às sensações correspondentes ou correlacionadas com a respiração, em todo o corpo, tipo de fluxo de energia através do corpo inteiro, correspondente ou relacionado à respiração, ao atender aos movimentos dentro do corpo, correspondentes a respiração, atente para isso de um lugar de quietude. A sua consciência, a sua consciência mental, repousando na quietude, simultaneamente ao fluxo, ao refluxo e ao fluxo, das sensações da respiração em todo o corpo - Tranqüilidade e movimento, quietude e movimento simultaneamente.

À medida que você acalma, à medida que a mente se estabiliza, a clareza da mente, como o sol que se ergue sobre o horizonte, a clareza da mente se torna mais clara e clara. Em seguida, faça um desvio na prática sem parar a prática anterior que é chamada por vários nomes, um deles é simplesmente observar a mente, novamente a partir de um ponto de vista de quietude.

Dirija sua atenção agora de uma só vez para um dos seis domínios de experiência, o domínio dos eventos mentais, dos pensamentos, das memórias, das imagens mentais, do mesmo domínio em que os sonhos surgem à noite, mas também impulsos subjetivos, como desejos e emoções . E da vantagem da quietude, da clareza da quietude, da consciência que está relaxada, parada e clara, observe o teatro da mente - as idas e vindas, pensamentos, emoções, memórias, fantasias e assim por diante. Vindo e indo, surgindo no espaço da mente, dissolvendo-se de volta a esse espaço. E observe de forma contínua daquele ponto de vista da quietude sem o que os psicólogos chamam de Fusão Cognitiva, sem ser pego e levado pelas memórias, desejos, emoções e assim por diante.

E então, enquanto você vai aprofundando, procure os intervalos entre os pensamentos, vá para o espaço da própria mente. E assista claramente, com discernimento... observe qual é a natureza desse espaço. É espaço físico? Este é o espaço da mente. Tem cor? Tem forma? Tem um centro, uma periferia? Tem forma? Tem alguma qualidade física? Observe-o de perto, o próprio espaço da mente.

E então, à medida que avançamos na estratégia, este é um caminho muito condensado, enquanto você for capaz de manter esse fluxo de consciência clara, discernida, consciente, o espaço da mente, e observando também como os pensamentos emergem desse espaço, não emergindo de neurônios, o que é uma ideia louca. A noção de que sonhos e emoções provém de elementos químicos e eletricidade - uma das idéias mais loucas que já ouvi! Mas é o pensamento coletivo. Uma pessoa diz isso, um grupo de pessoas diz isso. OK - dispensemos esse absurdo. Você pode ver pensamentos que surgem do espaço da mente e se dissolvem de volta ao espaço da mente. E os pensamentos não são físicos e o espaço da mente não é físico. Deixe isso para trás! E deixe isso incorporado ao estudo científico da mente. Nós estamos ignorando a perspectiva de primeira pessoa há 150 anos. É hora de parar! Como dizem na Itália, Basta! Já basta. Sejamos científicos no estudo da mente, observando cuidadosamente, como todos os outros ramos da ciência, observem cuidadosamente os fenômenos que eles procuram entender. E não apenas estudar cérebro e comportamento. Duh!

Bem. Então observe o espaço da mente e agora faça algo muito inteligente. Retire o vetor da sua atenção e retire-a diretamente na própria natureza de estar ciente de si mesmo. Não tem direcionalidade, nenhum vetor. Nenhum objeto de atenção fora da consciência em si e simplesmente descansar em um fluxo contínuo de consciência de estar ciente - consciência da própria consciência.

É senso comum que, se você quer entender algo, olhe de perto por um período sustentado. Foi assim que Galileu descobriu as luas de Júpiter, as manchas de sol e as fases de Vénus e as crateras na lua. Ele observou com cuidado e de forma sustentada e começou a revolução científica. É hora de a primeira revolução nas ciências da mente começar. Mas isso significa que temos que fazer o que Galileu fez, o que Darwin fez e o que William James fez: olhe atentamente os fenômenos que você está procurando entender.

Observe a consciência, desnuda, sem mediação. Estamos quase lá - é chamado de Shamatha, é o método mais sutil e profundo de Shamatha que existe em toda a tradição budista: a consciência de estar consciente em si.

E agora um passo adiante e entraremos no domínio da Dzogchen. Agora com cuidado, observe incisivamente o que está observando. Nós chamamos isso de mente. Observe a mente. Nós chamamos de consciência. Observe a consciência. Observe o que está ciente, o que pensa, o que pretende. Observe o observador. E atravesse a mente, até o solo, que é Rigpa.

E a meditação de Dzogchen não é nada mais ou menos do que cortar através da consciência prístina, Rigpa, e ver a realidade dessa perspectiva. E justamente aí está a visão da Grande Perfeição.

Então, na sua prática, - eu apenas te dei o suficiente para mantê-lo ocupado por pelo menos alguns dias - na sua prática, quando você chega ao fim, quando você está vindo para o, onde você é capaz de sustentar o fluxo de consciência da consciência e, então, você corta o fluxo de consciência da consciência, a penetração, o que está ciente, você nota uma distinção entre a consciência que se distrai e fica aborrecido e se centra e se distrai novamente .... E isto é a mente.

Mas, ao atravessar o que está ciente, você pode atravessar uma dimensão de consciência que não é nascida e incessante, que nunca se move, porque não está no tempo. É imutável e você nunca pode agarrar com sua mente conceitual. Por causa dessa linha de base, desse terreno de consciência, do qual emergem todos os estados de consciência condicionados. Transcende os próprios parâmetros da existência e da inexistência. Ele transcende todas as categorias conceituais. Pode ser conhecido. Não é um mistério final. Pode ser conhecido diretamente sem mediação, mas apenas por si só. Pode conhecer a si mesmo. Mas sua mente conceitual não pode compreendê-la. Está além da sua classificação salarial, está além do alcance.

Então, essa Rigpa, essa consciência prístina, está presente agora mesmo. Está onde a sua consciência está. Está onde seus pensamentos estão, não é algo separado. Não é de outra pessoa, não de Deus ou de Buda ou de outras pessoas. É o estado fundamental da sua própria consciência. E vou terminar com esta nota: escondida e visível. Então tente isso e veja o que acontece. Muito obrigado.


Original:

Alan's 10 minutes wrap-up at the end of his Dharma talk yesterday was well worth transcribing - here is my attempt:

...

But now that you see mind is primary, then the next in this strategy, in this path, is Dzogchen - is not universally true in all schools of Buddhism. Now, investigate the nature of the mind, that which apprehends, that which knows, that which observes. Observe the nature of the agent. That a mind that meditates, gets upset, becomes compassionate, engages in virtue, non-virtue – investigate this all-creating sovereign, the mind.

And what does he say here back to Mud and Feathers? “Again in a visionary experience a being appearing in one of his dreams says: Son of the clear light vajra essence, addressing Dudjom Lingpa, says your own mind is the basis of all samsara and nirvana. The origin from which it first emerges is empty. The location in which it relies in the interim, after it arisen and before it passes, is empty. The destination to which it finally goes is empty. Perceive the essential nature of emptiness. It, this mind, it has no form, shape, color or sort, it is neither one nor many, it transcends the parameters of existence and non-existence, it is empty of the conventional words of negation and affirmation, it is spontaneously actualized as great emptiness.”

Since I said I would be punctual, I’m going to wrap up that rather long juicy quote because there is no way I could finish it in just a few minutes. Here’s a strategy. I was asked by one friend of mine to give a bit of pointing out instructions. Alright, lets give it, give it a, take a crack at it.

We need strategy here. It’s all very well to speak profound words and be citing great masters and so forth. But when we return home, if we’re inspired by this path of the Great Perfection, how can we get up on our wobbly little legs and start walking on the path. I’ll make a suggestion, OK?

What I would suggest for those of us living in cities like Boston, I live in the outskirts of Los Angeles, I visit cities all over the world. We all know it. In this modern era, with this way of life, with this amount of information, this amount of stimulation we have, the amount of workload we have, with the demands on our attention that we have. We are running an experiment on ourselves which I think is quite a cruel experiment. To see how far can we be pushed without all of us going insane?

The first thing as we had in the preliminary exercise is to learn, in a non-trivial way, how to set your body, speech and mind at ease. No wonder MBSR, mindfulness based stress reduction, is so popular and so helpful. Because people are so desperate to get some relief from strain, from stress that is just wearing them out, and sapping all the joy from their lives. So to learn through discipline, how to set the body and mind at ease. - Mindfulness of breathing is marvelous for this, settle body speech and mind at ease, and then mindfulness of breathing, full body awareness, let your awareness permeate the whole field of the body.

And in the midst of that, let’s already take a little step toward Dzogchen, the Great Perfection. And that is, while attending to the sensations corresponding to or correlated with the respiration, throughout the entire body, kind of the flow of energy through the whole body, corresponding to or related to respiration, while attending to the movements within the body, corresponding to the respiration, attend to this from a place of stillness. Your awareness, your mental awareness, resting in stillness while simultaneously attending to the flux, the ebb and flow, of the sensations of the breath throughout the body - Stillness and movement, stillness and movement simultaneously.

As you calm, as the mind stabilizes, as the clarity of mind, like the sun rising over the horizon, the clarity of mind becomes clearer and clearer. Then make a segue into a practice that is called by various names, one is simply observing the mind, again from a vantage point of stillness.

Direct your attention now single-pointedly to one out of six domains of experience, the domain of mental events, of thoughts, of memories, mental images, the same domain in which dreams arise at night, but also subjective impulses, like desires and emotions. And from the vantage of stillness, clarity of stillness, awareness that is at ease, still and clear, observe the theater of the mind – the comings and goings, thoughts, emotions, memories, fantasies and so forth. Coming and going, arising in the space of the mind, dissolving back into that space. And observe it in an ongoing way from that vantage point of stillness without, what psychologists call Cognitive Fusion, without getting caught up and carried away by the memories, the desires, the emotions and so forth.

And then as you go deeper, look to the intervals between thoughts, attend to the very space of the mind itself. And attend clearly, discerningly … observe what is the nature of this space. Is it physical space? This is the space of the mind. Does it have color? Does it have shape? Does it have a center, a periphery? Does it have form? Does it have any physical qualities whatsoever? Observe it closely, the very space of the mind.

And then as we move along the strategy, this is a very condensed course, as you are able to maintain that flow of clear, discerning, awareness, the space of the mind, And observing also how thoughts emerge from that space, not emerging from neurons, which is a crazy idea. The notion that dreams and emotions coming from chemicals and electricity – one of the craziest ideas I ever heard! But, it’s group think. One person says it, a bunch of people say it. OK – dispense with that nonsense. You can see thoughts arising from the space of the mind and dissolving back into the space of the mind. And the thoughts are non-physical and the space of the mind is non-physical. Get over it! And let this be incorporated into the scientific study of the mind. We’ve been ignoring first person perspective for 150 years. It’s time to stop! As they say in Italy, Basta! Enough already. Let’s be scientific in the study of the mind by observing carefully like all other branches of science observe carefully the phenomena that they seek to understand. And don’t just study brain and behavior. Duh!

Alright. So observe the space of the mind and now do something very clever. Withdraw the vector of your attention and withdraw it right into the very nature of being aware itself. Have no directionality, no vector. No object of attention outside of awareness itself and simply rest in an ongoing flow of awareness of being aware - consciousness of consciousness itself.

It makes commons sense that if you want to understand something, look at it closely for a sustained period. That’s how Galileo discovered the moons of Jupiter, and suns spots and the phases of Venus, and craters on the moon. He observed carefully and in a sustained fashion and started the scientific revolution. It’s high time for the first revolution in the mind sciences to begin. But that means we have to do what Galileo did, what Darwin did, and what William James did: look carefully at the phenomena you are seeking to understand.

Observe consciousness, nakedly, without mediation. We’re almost there – that’s called Shamatha, it’s the subtlest and most profound method of Shamatha there is in the whole Buddhist tradition: the awareness of being conscious itself.

And now one step further and we’ll step into the domain of Dzogchen. Now carefully, incisively observe that which is observing. We call it the mind. Observe the mind. We call it awareness. Observe awareness. Observe that which is aware, that which thinks, that which intends. Observe the observer. And cut through the mind, right down to the very ground, which is Rigpa.

And Dzogchen meditation is nothing more or less than cutting through to pristine awareness, Rigpa, and viewing reality from that perspective. And that right there is the view of the Great Perfection.

So in your practice, -I just gave you enough to keep you busy for at least a few days – in your practice, when you come to the end, when you’re coming to the, where you’re able to sustain the flow of awareness of awareness, and then you cut through the flow of awareness of awareness to, the penetration to, that which is aware, you note a distinction between the awareness that gets distracted, and gets dull, and gets centered, and gets distracted again …. And that’s the mind.

But as you cut through to that which is aware, you may cut through to a dimension of awareness that is unborn and unceasing, that never moves, because it is not in time. It is unchanging and you can never wrap your conceptual mind around it. Because this baseline, this ground of awareness, from which all conditioned states of consciousness emerge. Transcends the very parameters of existence and non-existence. It transcends all conceptual categories. It can be known. It is not an ultimate mystery. It can be known directly without mediation, but only by itself. It can know itself. But your conceptual mind cannot grasp it. It is beyond its pay grade, it is beyond its scope.

So this Rigpa, this pristine awareness, it is present right now. It is where your awareness is. It is where your thoughts are, it is not something separate. It is not somebody else’s, it not God’s or Buddha’s or some other person’s. It is the ground state of your own awareness. And I’ll end on this note: hidden and in plain sight. So try that and see what happens. Thank you so much.


Gratidão

Uma prática diária que devemos exercitar: gratidão. Olhar o que temos em vez do que falta e ser grato. Sugestão que vou aplicar, da sanga do GEBB Recreio - Grupo de Estudos Budistas Bodisatva.

Não há mudança da noite pro dia

- Não há mudança da noite pro dia - O desejo e o apego não mudarão da noite pro dia, mas o desejo torna-se menos comum à medida que reorientamos nosso anseio mundano em direção à aspiração de tornar-se iluminado em benefício dos outros. Ao mesmo tempo, não abandonamos os objetos de nossos desejos - relacionamentos, riqueza, fama -, mas nosso apego a eles diminui à medida que contemplamos sua impermanência. Não os rejeitando, nos alegrando em nossa sorte quando eles surgem, mas reconhecendo que não vão durar, começamos a construir qualidades de maturidade espiritual. À medida que nosso apego diminui lentamente, as ações prejudiciais que normalmente resultariam do apego são reduzidas. Criamos menos karma negativo, mais karma positivo e as qualidades positivas da mente aumentam gradualmente. – Chagdud Tulku Rinpoche (Tradução livre minha sobre este original abaixo. Que muitos possam se beneficiar!) No overnight change ~ Chagdud Tulku Rinpoche http://justdharma.com/s/973p1 Desire and attachment won't change overnight, but desire becomes less ordinary as we redirect our worldly yearning toward the aspiration to become enlightened for the benefit of others. At the same time, we don't abandon the ordinary objects of our desires - relationships, wealth, fame - but our attachment to them lessens as we contemplate their impermanence. Not rejecting them, rejoicing in our fortune when they arise, yet recognizing that they won't last, we begin to build qualities of spiritual maturity. As our attachment slowly decreases, harmful actions that would normally result from attachment are reduced. We create less negative karma, more fortunate karma, and the mind's positive qualities gradually increase. – Chagdud Tulku Rinpoche from the book "Gates to Buddhist Practice: Essential Teachings of a Tibetan Master" ISBN: 978-1881847311 - http://amzn.to/2eEFsO0


sexta-feira, 12 de maio de 2017

Anotações da palestra pública com Chagdud Khadro sobre a Morte em 11/05/2017 - Chagdud Gonpa RJ

Eu só soube do evento muito tarde e não havia mais vagas, mas acabei conseguindo ir a esta palestra disputadíssima de uma forma meio mágica. Só foi possível por ter ido a esta outra palestra com Mingyur Rinpoche (aliás, a meditação que ele conduziu foi maravilhosa, clique aqui para assistir) uns dias antes. Uma moça se sentou ao meu lado, super simpática, e acabamos amigos. Então, tenho que agradecer muito a ela, Clarice Rohde, que lembrou de mim quando sua amiga falou que não poderia comparecer ao evento com Chagdud Khadro e quis oferecer a vaga para alguém.

Achei algo em Chagdud Khadro muito parecido com o olhar minha querida avó já falecida, trazendo uma sensação de carinho enorme, algo como uma intimidade automática. E os ensinamentos, na presença dela, pareceram mais sentidos (talvez realizados) ao invés de apenas entendidos racionalmente. Ao final da palestra, quando fui agradecer e oferecer o kata (que é um pano que se oferece ao lama e ele devolve abençoado) para ela me disse essas palavras que ficaram se repetindo em minha mente por horas: "It is so good to recognize a friendly face on the crowd..."




ANOTAÇÕES: 

- Importância de contemplar a vida humana preciosa e a impermanência

- As pessoas em geral veem a morte de outras ao seu redor mas acham que nunca vão morrer...

. Morte repentina por acidente - consciência sai rápido
. Morte por velhice, natural, corpo deixado sozinho - consciência permanece alguns dias (no Tibete é tradicional deixar o corpo sem ser tocado por três dias)

- Prática de Poa: importante para o Brasil - já que aqui não se pode ficar sem tocar o corpo por três dias - por lei. Com Poa, a  consciência sai e o corpo não importa mais depois... Pode ser tocado, enterrado, cremado etc. Pode-se pedir para doar os órgãos (muito auspicioso ajudar outros a seguir vivo) só depois de alguém fazer Poa para o falecido.

- O que podemos fazer com mortos, para ajudar a consciência a sair pelo alto da cabeça (chacra da coroa), que é mais auspicioso: dar batidinhas ou tocar alto da cabeça (qualquer pessoa pode fazer, não precisa ser Lama)

- Após a morte: há um estado de calor no chacra central no peito, sem mais raiva (que vem do pai, luminosidade branca que desce pelos canais da cabeça para o peito) nem apego (que vem da mãe, luminosidade vermelha que sobe do ventre para o peito). Nesse estado intermediário, o corpo fica aquecido no peito, sem decomposição. Chagdud Tulku Rinpoche ficou assim por 5 dias e meio após a última respiração. Paramahansa Yogananda ficou 20 dias.

- Meditação. É cultivo de abertura para a vacuidade, Darmakaia. É preciso paciência. Com adversidade, inimigos e medo da vacuidade. Somos viciados em movimento, fazer algo. O estado de abertura total pode dar medo...

- Sem familiaridade com meditação, após a morte aparecem logo luzes, movimento e deidades (estado não dual de projeção da própria mente). Para não praticantes, quase não dá tempo de perceber o Darmakaia, que é insuportável. A mente se move e Darmakaia e depois Sambogakaia se fecham e surge logo o bardo do vir a ser.

- "Fantasmas" - Seres do bardo, com a tendência humana a voltar pra casa. Todos temos esse apego a estabilidade. Até moradores de rua delimitam seus espaços, criam limites e hábitos. Por causa dessa estabilidade do lar, após a morte muitos voltam para casa e ficam sem poder se comunicar com os vivos, presentes mas sem poder se comunicar ou interagir com nada "sólido". Praticar o Sur ajuda esses seres que não conseguem se alimentar de sólidos, mas sentir aromas. Além disso, dedicar méritos de qualquer prática também ajuda estes seres. Ou oferendas de lamparinas. Não é bom chorar assim que alguém morre. Só traz mais confusão para ele. É ótimo lembrar de falar pro falecido se lembrar de seu refúgio espiritual. Recomendado não tocar nos pertences do morto por 21 dias. Pode irritar se houver apego ainda. Melhor praticar o que estiver mais habituado, pois essa prática tem mais conexão, mais afinidade, logo será mais poderosa. E dedicação de mérito pro falecido.

- É o anseio por estabilidade que leva a renascer. Importante lembrar de pensar em Guru Rinpoche, Amitaba, Chagdud... Depois da morte, onde a mente pensa a mente vai, muita instabilidade... Daí a necessidade do reflexo rápido de tomar refúgio em situação difícil, treinar durante a vida. Vai ser assim na morte. Treinamento!!!! Rezar sempre que aparecer uma crise, confusão, briga, negatividade!!! Quanto mais instantâneo, melhor. Treinar em vida!!!

- Contemplação da impermanência e morte senão: vida sem sentido.

- Acumulação de negatividade a vida toda deixa a morte mais difícil. É preciso purificar todas as emoções negativas, coisas não resolvidas etc.

- No momento da morte: Ver o positivo, oferecer tudo que perderemos. Posses, Inteligência etc. Fazer cartas agradecendo. Dedicar mentalmente. Fazer testamento. Deixar tudo resolvido...

- Sugestão de um Rinpoche: criar caixa com tudo: Testamento, cartas, quem avisar para rezar e fazer práticas, quais pessoas avisar e práticas etc. E avisar todos onde guarda a caixa, antes do processo de morte, para ser encontrada e aberta.

- Livro recomendado: Peaceful Death, Joyful Rebirth


P.S.: Outro livro que aprofunda o tema e eu já li e recomendo: O livro tibetano do viver e do morrer

sábado, 29 de abril de 2017

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Controle de qualidade da prática (Lama Padma Samten)

Vídeo do Lama sobre controle de qualidade da prática

Resumo - Controle de qualidade da prática:

1 - Bodicita relativa (Energia, brilho em todos os lungs)
2 - Devoção (Aparece unida a bodicita)
3 - Aspecto secreto (Sem centro autônomo de acionamento causal da energia, fonte primordial inseparável de nós - mãe Darmata)
4 - Sabedoria primordial (Visão do mundo a partir do Darma - sabedoria primordial - e não mais a visão do mundo a partir do mundo - sabedoria causal)
5 - Liberação da linguagem da identidade (As identidades baseadas nos 12 elos funcionam por um tempo depois cessam)
6 - Materialismo espiritual (É a fixação de identidade dentro do caminho espiritual. Avançamos não porque nos tornamos algo importante, mas porque atingimos uma mente que não é de ninguém)
7 - Tudo vira prática (Quando encontramos obstruções no caminho, aparências assustadoras, atraentes ou indiferentes, não rejeitamos, utilizamos como prática de lucidez)
8 - Ensinamentos para o final do caminho (Ensinamentos de Dudjom Lingpa, Jigme Lingpa, Dilgo Khyentse Rinpoche)