segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Controle de qualidade da prática (Lama Padma Samten)

Vídeo do Lama sobre controle de qualidade da prática

Resumo - Controle de qualidade da prática:

1 - Bodicita relativa (Energia, brilho em todos os lungs)
2 - Devoção (Aparece unida a bodicita)
3 - Aspecto secreto (Sem centro autônomo de acionamento causal da energia, fonte primordial inseparável de nós - mãe Darmata)
4 - Sabedoria primordial (Visão do mundo a partir do Darma - sabedoria primordial - e não mais a visão do mundo a partir do mundo - sabedoria causal)
5 - Liberação da linguagem da identidade (As identidades baseadas nos 12 elos funcionam por um tempo depois cessam)
6 - Materialismo espiritual (É a fixação de identidade dentro do caminho espiritual. Avançamos não porque nos tornamos algo importante, mas porque atingimos uma mente que não é de ninguém)
7 - Tudo vira prática (Quando encontramos obstruções no caminho, aparências assustadoras, atraentes ou indiferentes, não rejeitamos, utilizamos como prática de lucidez)
8 - Ensinamentos para o final do caminho (Ensinamentos de Dudjom Lingpa, Jigme Lingpa, Dilgo Khyentse Rinpoche)

domingo, 26 de junho de 2016

Resumo do Retiro do Lama Padma Samten em Araras, 2016

"Todos somos meio como "O médico e o monstro". Praticamos, praticamos mas algum fato ocorre e nos arrasta pela energia. Controle não resolve. Não soluciona isso. (...) A mente não tem poder sobre a energia. Daí a importância de estabilizar a energia (shamata impura com foco nos cinco lungs). Mas shamata é uma condição particular. E o espaço não é o elemento éter. O espaço seria o sexto elemento, seria a capacidade quebrar o aspecto limitado da prática e perceber que aquele estado particular de mente não é a iluminação. O espaço é a condição secreta da mente, é o ambiente além de qualquer objeto, que acolhe todos os objetos. Aquilo que não morre. Como perceber a amplitude de um céu estrelado. A percepção do elemento espaço no ciclo de seis elementos nos ajuda a neutralizar os obstáculos da própria prática de shamata."

- Lama Padma Samten​ (adaptado, pois escrevi no celular sem dar tempo de uma transcrição exata. Retiro de Junho em Araras, 2016)



sexta-feira, 24 de junho de 2016

Realizar os ensinamentos e anotar a contagem dos mantras

Estava sentindo falta de aprofundar mais, realizar os estudos no Budismo e ontem descobri este vídeo com ensinamentos do Luis Filipe que mostram uma metodologia maravilhosa, na prática, para tal. Pensar, contemplar e repousar. Ele fala também de seu exemplo em retiro, lendo três vezes o mesmo livro, depois - na quarta vez - anotando passagens que parecem importantes para depois usar a técnica de ler, contemplar por 3 minutos (buscando exemplos), depois repousar a mente por mais 3 minutos. Essa técnica permite que estudemos com uma mente mais ampla e acho que aumenta muito a chance de aprofundarmos os ensinamentos.

Outra prática importante que venho fazendo é a acumulação de mantras e prostrações. O mala pode ajudar na contagem dos mantras, mas o ideal é não gerar apego ou orgulho, apenas seguir acumulando. Agora, partindo para outro retiro em Araras com o Lama Samten.

terça-feira, 26 de abril de 2016

As 4 Nobres Verdades

  1. Existe o sofrimento (duka - veja aqui uma explicação do Lama em 2017 ou aqui)
  2. Existem as causas do sofrimento (duka)
  3. A liberação do sofrimento (duka) é possível
  4. Existe um caminho leva a esta liberação (o nobre caminho óctuplo)
Este foi o primeiro ensinamento do Buda Sakyamuni, o Buda histórico, que foi a fonte de todos os conhecimentos de todas as tradições do Budismo há uns 2600 anos atrás. Após a iluminação, ele passou 45 anos dando ensinamentos (o Darma). Este ensinamento inicial se deu num local chamado Parque dos Cervos de Isipatana (em Baranasi, segundo o Budadarma). Por isso, o CEBB tem dois cervos em seu símbolo olhando a roda de oito raiors que simboliza o nobre caminho óctuplo. É um ensinamento comum a tradição Theravada, Mahayana e Vajrayana (3 grandes correntes atuais do Darma, que sobraram).



quinta-feira, 14 de abril de 2016

Nobre caminho de 8 passos ou óctuplo

É simbolizado pela roda de oito raios, o dharmachakra:


Cada passo leva ao seguinte:
  1. Compreensão / Visão Correta 
  2. Pensamento Correto
  3. Fala Correta
  4. Ação Correta
  5. Modo de Vida Correto 
  6. Esforço Correto 
  7. Atenção Correta 
  8. Concentração Correta 

No CEBB (Mahayana com foco no caminho tântrico):

1 - Motivação - Estágios: Em próprio benefício, Em benefício dos outros, Liberação. Estudo: 4 pensamentos que transformam a mente
2 - Evitar ações negativas de Mente. Estudo: 10 ações não virtuosas
3 - Evitar ações negativas de Fala. Estudo: 10 ações não virtuosas
4 - Evitar ações negativas de Corpo. Estudo: 10 ações não virtuosas
5 - Ação transcendente. Estudo: 4 qualidades incomensuráveis, 6 perfeições
6 - Diana, Shamata. Técnica: Shamata
7 - Vipassana, Shamasati: Técnica: Prajnaparamita
8 - Presença, Samasamadi. Técnica: Repousar na presença (volta à energia da motivação)

(Esta é uma das bases do nosso Roteiro de 21 itens.)

Pensar, contemplar e repousar

- Pensar: análise racional
- Contemplar: buscar exemplos na própria vida
- Repousar: relaxamento

Exemplo de prática: 3 minutos de cada um, sobre determinado tema ou trecho.

domingo, 27 de março de 2016

3 raízes do Darma

  1. Lama - Mestre (raiz das bênçãos)
  2. Yidam - Deidade meditativa / Ser visualizado (raiz das realizações)
  3. Dakini - Princípio feminino das atividades iluminadas (raiz da atividade iluminada)

Lama Padma Samten falando sobre Games / Distrações

"Se as pessoas são armadilhadas por jogo de computador, qual é a chance delas? Se elas consideram que elas avançam quando elas respondem mais rápido ao estímulo na tela do computador qual é a chance delas? Elas tão treinando a responsividade, que é o elemento central da prisão. Elemento central da prisão é assim: aparece alguma coisa eu respondo condicionado dentro daquilo. Isso é considerado dentro dos testes de inteligência um dos fatores essenciais. Quanto mais rápidos nós respondemos aos estímulos de uma forma previsível, mais inteligente nós somos. Isso é QI, né?"
Lama Padma Samten

fonte: https://www.youtube.com/watch?v=EN7WqI7KKrg&feature=youtu.be&t=1h43m35s

OBS.: Fiquei contemplando isso e ainda tem outros agravantes, acho: assim como a maioria dos esportes, estimula a competitividade (baseada em avydia, a ilusão de dualidade) e, em alguns casos, banaliza a violência (o oposto de tentarmos construir uma cultura de paz). 

Podemos expandir essa percepção para a imensa maioria das distrações, passatempos ou entretenimento dentro do que chamamos normalidade - novelas, filmes, seriados e até mesmo músicas que criem uma bolha ilusória de realidade (como as românticas, por exemplo), reforçando hábitos talvez de muitas vidas. 

Porém, é importante lembrar que não se proíbe nada no Budismo de forma dogmática e que, se for causar um sofrimento abandonar radicalmente alguma dessas coisas (mesmo sobrando mais tempo pra meditar), melhor não ser tão radical. Talvez apenas diminuir o tempo gasto com isso.

Outra opção é usar essas distrações como prática, tentando percebê-las de forma lúcida. Esta seria a prática mais elevada. Mas comigo, no videogame, não funcionou muito bem até agora: acabo usando como desculpa pra seguir no vício. :)

OBS. 2: Se sua prática aprofundou a ponto de você não achar mais muita graça nas coisas mundanas ou distrações, leia aqui.

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Segunda tentativa de retiro fechado no apartamento

No dia anterior, comprei comida para poder ficar hoje o dia todo sem falar com ninguém. De manhã fiz a prática habitual: alongamento, prostrações, 15 minutos de visualização do lótus e de Guru Rinpoche, preces, mantras, 30 minutos de shamata impura com foco nos 5 lungs, 15 minutos de metabavana e 15 minutos do roteiro de 8 pontos do Prajnaparamita. Depois disso, por todo o dia, mantive a prática de não fazer nada, mantendo corpo fala e mente em seus estados naturais. De manhã, a partir de duas horas e maia, bateu um sono absurdo então esperei completar 3 horas e fui dormir. De tarde, não teve esse problema. A mente divagou bastante, mas acho que perto do final melhorou um pouco. Dessa vez não fiz pujas nem segui horários rígidos nem estudei nada. Apenas meditação. Com as três horas matinais na almofada sem apoio pra lombar, mesmo caminhando a cada 45 minutos, a lombar doeu um pouco e me mudei pro sofá, com apoio na lombar... Tenho que lembrar que minha lombar não aguenta ficar sem apoio. No geral, achei tudo bem mais tranquilo do que das outras vezes que tentei, precisando de menos esforço. E terminei com a impressão de que aguentaria mais tempo. Mas achei mais prudente parar. Vontade de fazer muito mais desses, em casa (até porque consegui não ligar celular, TV ou internet - até agora). :)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

4 fases de shamata (texto base: O Tantra afiado da consciência Vajra - comentários de Dudjom Lingpa)

1 - Distinção: quietude da consciência / movimentos da mente (atenção plena unifocada)
2 - Fluxo: percepção da quietude e dos movimentos sem esforço (atenção plena manifesta)
3 - 5 sentidos físicos se tornam apenas consciência mental (findam as aparências). Repouso no vazio. (atenção plena destituída de atenção plena)
4 - Inverter a consciência que observa o vazio para a própria consciência substrato, indívisível do substrato. Quietude, não-conceptualidade, luminosidade, bem-aventurança. (atenção plena que se auto-ilumina)

A realização de shamata seria a fase 4, que nos leva à consciência substrato, mas não a rigpa. Ainda há alguns conceitos aparecendo na fase 4 e fixações.

Atingir rigpa seria a iluminação, mas realizar shamata não.

É como se conseguindo repousar na consciência substrato, pudéssemos ver as aparências do mundo como vazias, mas apenas em rigpa pudéssemos vê-las como um sonho.

fonte: Essas anotações foram sobre esta palestra de Alan Wallace em Viamão em 2016, mais especificamente à 1h 20min.